Notícias

Produção Animal

Soluções tecnológicas para o controlo do Stress Térmico

27/07/2021

Ventoinhas verticais

Esta é a solução mais popular. Movem o ar horizontalmente se estiverem montadas perpendicularmente ao chão. Todavia, devem ser montadas ligeiramente na diagonal, seguindo as orientações de cada marca. Quando estão numa posição perfeitamente vertical, fazem o ar circular horizontalmente, em túnel, sobre os animais, pelo que a sensação de frescura sentida pela vaca é marginal. Tecnicamente, uma ventoinha destas ventila uma distância igual a 10 vezes o seu diâmetro, pelo que é esse o indicador ideal do espaçamento entre ventoinhas. Ou seja, ao instalar ventoinhas com 1 metro de diâmetro numa manjedoura com 50 metros de comprimento, devemos encomendar 5. E ainda ficam a faltar as ventoinhas sobre as camas… 

Pontos fortes
Mais versáteis na instalação; compatíveis com sistemas de refrigeração de gota grossa, se atingirem os 3 m/ segundo de velocidade.

Pontos a considerar
Mais barulhentas. Maior consumo, principalmente nas mais antigas; A instalação de variadores de frequência permite poupar energia, mas diminui a velocidade do ventilador; Instaladas frequentemente em número insuficiente; Movem ar quente/ não-refrigerado; A sua limpeza e manutenção são aspetos a ter em conta e que são frequentemente negligenciados.

Ventoinhas horizontais

Nos últimos anos, tem havido uma “explosão” nas vendas deste tipo de ventoinhas. Estão colocadas suspensas no tecto, numa posição central no pavilhão. A italiana CMP patenteou o sistema que introduziu na linha Zefiro, o qual permite grandes economias e menores necessidades de manutenção. Ainda assim, mesmo as concorrentes obtêm eficiências muito superiores no volume de ar movimentado face às ventoinhas horizontais. A título de exemplo, a inovadora ventoinha horizontal Cyclone 360º, da francesa Bioret Agri, move 80 000 m3 de ar/ hora, ventilando uma área de 18 metros de diâmetro.

Pontos fortes
Mais silenciosas; movem grandes quantidades de ar com menores gastos energéticos;

Pontos a considerar
Menor velocidade do ar, pelo que não são adequadas para sistemas de gota grossa; instaladas frequentemente em número insuficiente nas vacarias; movem ar quente/ não-refrigerado.

Ar condicionado
(Cowsy Breeze, da Cow-Welfare)

Lembro-me de ter visitado uma vacaria, há uns 15 anos, cá em Portugal, com um sistema deste género. Lembro-me de ter entrado no escritório da exploração e de ter pensado que estava melhor no pavilhão com as vacas. Estavam 40º ao Sol, nesse dia. O pavilhão não tinha paredes. O sistema inclui ventoinhas embutidas dentro da tubagem suspensa sobre as camas e/ou manjedouras. Como são em menor número, há uma poupança significativa face à solução 1.

Pontos fortes
Ar fresco a circular dentro do estábulo; instalação versátil; maior pressão de ar fresco dentro do estábulo; conforto animal inquestionável, face às soluções 1 e 2 pelo facto do ar ser refrigerado

Pontos a considerar
Custo e eficiência energética.  (Na verdade, temos de comparar o comparável. É muito difícil comparar esta solução com as anteriores porque é substancialmente diferente. Começamos pelo facto de não podermos comparar um sistema que oferece ar refrigerado às vacas com outros que movem ar quente. Temos depois a questão do número de ventoinhas horizontais ou verticais. Como normalmente existe uma instalação em número inferior ao necessário, esta solução pode parecer mais cara do que é na verdade. Por fim, a questão energética. Não conheço estudos comparativos. Todavia, idealmente a resposta a esta questão deveria ser dada pelas vacas. Podemos ter um custo energético ou mesmo de instalação superior, mas se isso se traduzir em mais leite face às ventoinhas faladas anteriormente pode ser muito mais compensador).

 

Sistemas de gota fina ou nuvem

Devo dizer que conheço estábulos com este sistema e em que o mesmo funciona lindamente. Basicamente existe uma linha de água ao nível dos ventiladores, a qual é libertada em gotículas muito finas que formam um ligeiro nevoeiro/nuvem no estábulo. Ótimo para ajudar a controlar as moscas. Exige obrigatoriamente a instalação de ventoinhas para movimentar e dispersar a humidade no ar.

Pontos fortes
Ar ventilado mais fresco do que na solução 1 e 2, mas… (ver o próximo parágrafo)

Pontos a considerar
Não é para todo o tipo de pavilhões. Pode gerar um clima tropical (ar “muito pesado”, elevado teor de humidade e temperatura combinados) e agravar o stress térmico; precisa de ventoinhas; possível obstrução dos bicos das microgotas, exige necessidade de manutenção da linha de aspersão).

Sistemas de gota grossa

Existem três locais em que podem ser aplicados: sobre a linha de manjedoura, sobre o parque de espera e em parques de refrigeração criados propositadamente para o efeito. Vulgarmente designados de chuveiros, os aspersores debitam água diretamente sobre o corpo da vaca em ciclos de 5 minutos. Na primeira fase, os chuveiros debitam a água com as ventoinhas verticais paradas. Ao fim de alguns segundos (podem ser 40-50 segundos), os chuveiros interrompem o funcionamento e são acionadas as ventoinhas até se atingirem os 5 minutos do ciclo. A descrição que acabei de fazer dos ciclos de alternância é a recomendada no Cow Cooling, da DeLaval. Sistemas de outras marcas, podem ter abordagens ligeiramente diferentes.

Pontos fortes
Forma muito eficaz de refrescar a vaca, associada a ventoinhas verticais.

Pontos a considerar
Exige a instalação de ventoinhas; velocidade recomendada do ar de, pelo menos, 3 metros/ segundo; custo da instalação; eventual ampliação do número de ventoinhas pré-existentes no estábulo; instalação com regras exigentes, para não ser pior a emenda do que o soneto (distância entre ventiladores, não molhar a manjedoura, não molhar as camas, não molhar o úbere, secar eficazmente a vaca, ciclos de alternância chuveiro-ventoinhas ajustados ao efetivo e às instalações).


Portanto, existem muitas estratégias possíveis. Existem ainda, pelo menos, mais duas que não abordei por não ver aplicabilidade na nossa realidade. Com as alterações climáticas a fazer cada vez mais estragos, refrescar as vacas será imperativo, principalmente quando as noites forem também elas quentes. Termino com uma dica para os dias quentes, mas com noites com temperaturas inferiores a 18º C: com ventoinhas ou sem elas no estábulo, deixe as vacas passar a noite ao relento. Nem todos o poderão fazer, mas para quem puder…

 

- Leia mais -

Pesquisa

Vídeos mais vistos