Notícias

Empresas

“Estamos a sério no sector agrícola”

23/07/2019

O GESTOR

Além das suas funções de direção na Motivo, gostaríamos de saber quem é o Dr. José Gameiro e quais são os seus hobbies.
O meu principal hobby é trabalhar. Sou uma espécie de criativo da empresa. Por exemplo o stand que temos na Feira de Santarém foi desenhado por mim. Sou eu que invento, sou eu que crio, e divirto-me muito a trabalhar.
A minha segunda diversão é viajar. Como trabalho muito, tenho pouca vida social. E para descansar, viajo com frequência com a minha mulher.
Fui militar e quando decidi ser empresário fi-lo por vontade de ser empresário.

O que o levou a abandonar uma carreira militar?
Fui o melhor aluno da academia militar, mas achei que a vida militar não me preenchia o suficiente.

Mas o mundo empresarial envolve maior risco…
São diferentes tipos de risco. Eu fui ranger, fui comando, fiz a guerra. Na vida militar, ocasionalmente corre-se risco de vida. Mas no resto do tempo não acontece nada de muito relevante.
No mundo empresarial, deparo-me com o risco associado às decisões que tenho de tomar, o que gera diariamente muita adrenalina.
Tive também muita vida associativa, mas hoje com menos intensidade.

Quer falar-nos dessa experiência associativa?
Atualmente sou Presidente da parte industrial da ACAP. Mas fui Presidente da Confederação Europeia de Distribuidores (ECED), na altura em que Durão Barroso esteve na Comissão Europeia. Não continuei porque o diretor geral da Concorrência manifestou claramente que o objetivo da Europa é o consumidor e não as associações de lobby. As associações são muito muito mal vistas em Bruxelas.

 

A EMPRESA

Como foi a sua chegada a esta empresa?
Comecei como consultor em 1980 e rapidamente comprei uma parte da empresa. Depois comprei outra parte e mais tarde, em 1999, comprei a empresa toda. Há 20 anos que é minha. Mas trabalhava como se fosse minha desde o primeiro dia em que fui sócio.

Sente que, como empresário, tem uma função social a cumprir?
Naturalmente, trato tão bem quanto possível os trabalhadores. Acho que devo ter sido dos poucos patrões que despediu a sério quando veio a crise em 2012. Mas muitos desses trabalhadores já regressaram. A minha função social como empresário é um pouco esta. Sou dos poucos patrões que fez despedimentos e a quem os trabalhadores que despedi pedem para regressar. Dá-me muito gozo que as pessoas que cá estão se sintam satisfeitas.

E como antevê o futuro?
Sempre tive uma dúvida angustiante, que é saber o que farei quando for reformado. Talvez pelo exemplo do meu pai, que se reformou e ficou sem nada para fazer. Os últimos anos foram altamente penosos para ele. Perante esta crueldade, mantenho as minhas empresas simplesmente pelo prazer de trabalhar e de vender mais do que os outros. É um desafio constante e sistemático.

O facto de a JCB ser uma empresa familiar, liderada por Anthony Bamford, filho do fundador, facilita este relacionamento já tão longo?
Eu conheço o Anthony há 37 anos e tenho com ele uma relação privilegiada. Digamos que é um motivo de orgulho para nós trabalhar com a JCB e é um motivo de orgulho para a JCB trabalhar connosco. Eu sou o único distribuidor da JCB galardoado pela rainha de Inglaterra com a Ordem do Império Britânico. E a Motivo é a empresa que mais máquinas da marca já vendeu sem pertencer ao Grupo JCB.

 


CONSTRUÇÃO

A Motivo está sobretudo associada ao sector da construção…
Temos outros pequenos subsectores. É o caso do sector de waste & recycling. Nas lixeiras a céu abertos, fomos grandes precursores no fornecimento de máquinas para compactação. É um sector relativamente pequeno, mas onde a Motivo tem vendido um número substancial de equipamentos. Acabei agora de receber mais uma encomenda de dez teletruks que vão operar no sector da reciclagem.
Estivemos também muito ligados ao sector da transformação de cortiça, onde fomos precursores na introdução das máquinas telescópicas.
Nunca estivemos ligados só à indústria da construção. A agricultura e a floresta são sectores onde também temos atuado.

A construção sofreu uma forte queda há cerca de dez anos. Como se tem comportado o mercado português desde então?
Nós fizemos despedimentos coletivos, fizemos lay-off e durante algum tempo os nossos trabalhadores só receberam parte do seu ordenado. De 2007 para 2016 descemos de 1000 máquinas para apenas 100 e de 50 milhões para apenas dez. Mas estamos aqui. Fizemos o trabalho de casa, mas sem termos feito aquilo que a troika fez, que foi provocar danos irreversíveis para muitos trabalhadores.

A Motivo atua ainda no ramo de aluguer de equipamentos através da SpeedRent. É uma área de negócio que está a ser bem-sucedida?
É o tipo de empresa que os ingleses designam de rent to sell. Não é uma empresa de aluguer pura e dura, com muitas máquinas do mesmo modelo. Pelo contrário, tem muitos modelos e poucas máquinas do mesmo modelo. É como uma espécie de montra. Trazemos máquinas que a maioria dos nossos concorrentes não vende, para que o cliente esteja mais informado e possa experimentar um modelo específico.

É uma empresa de aluguer muito virada para a venda…
Sim, é fundamentalmente virada para a venda. Vendemos a alguns alugadores e não queremos concorrer demasiado com eles. Temos poucas máquinas de cada modelo para que os nossos clientes possam testá-las e possam comprá-las.

 

FLORESTA

Para o setor da floresta foi criada em 2018 a submarca Motivo Forestry. O que diferencia esta gama?
Trouxemos ideias da utilização de máquinas na Rússia, Uruguai, Brasil... Estudámos também o mercado português e tentámos arranjar máquinas para a floresta com inovações e que permitam obter mais rentabilidade. São as únicas no sector que têm extintores automáticos tal qual como os carros de competição. São também as únicas com vidros de policarbonato, resistentes a bala, e são forradas por baixo a hardox. As máquinas que nós desenvolvemos já estão a contribuir para que de futuro se façam máquinas mais aperfeiçoadas.

É de esperar que as mini-pás carregadoras de rastos, associadas a destroçadores, venham a ser adicionadas à gama florestal?
Para já, estamos muito focados nos dois modelos que agora propomos [as mini-escavadoras com destroçador e a giratória com cabeça processadora]. Gastámos centenas de milhares de euros na sua evolução. Terminada a fase de mostra, vamos agora ao que interessa que é comercializar. Se os resultados forem bons, continuaremos com outros produtos para a floresta, de certeza absoluta. E esse é um produto que eventualmente iremos ter.

 

AGRICULTURA

No sector agrícola, quem é o comprador típico dos tratores JCB Fastrac e o que é que procura?
É um cliente financeiramente sólido, que trabalha bastante, e que utiliza o trator retirando dele o maior partido.

Atualmente, há marcas de tratores que estão a entrar no segmento da movimentação de cargas, comercializando pás carregadoras e telescópicos. Que vantagens encontra o cliente quando sai da sua marca de tratores e opta por comprar máquinas JCB?
Nós representamos a marca que é líder mundial de telescópicos. O cliente compra JCB porque tem mais valor comercial, porque temos uma boa resposta em termos de assistência e porque é uma marca de prestígio.

Na agricultura, fala-se cada vez mais de eficiência e de sustentabilidade. Vê potencial para a SpeedRent se poder alargar a este sector, ou há obstáculos a desaconselhar que esse passo seja dado?
Na agricultura ainda há muito a noção de propriedade e não pensamos que exista disponibilidade para o aluguer de máquinas sem operador. Não iremos por aí. Existem sim empreiteiros florestais que alugam máquinas mas têm operadores especializados. Quando se tem uma máquina que custa 150.000 ou 200.000 Eur a trabalhar de aluguer, é preciso que o operador seja muito eficaz para retirar todo o rendimento.

A Motivo pretende conquistar quota no sector agrícola. A participação na Feira de Santarém enquadra-se nesse objetivo…      
O principal objetivo da participação na Feira de Santarém foi transmitir aos agricultores que estamos a sério no sector. O segundo objetivo foi mostrar máquinas que são inovadoras e inéditas no nosso mercado. Por último, com as máquinas que já estão em perfeita comercialização procurámos dar aos nossos clientes a possibilidade de saírem da feira mais informados.
Trouxemos à feira dois tratores que são o topo de sofisticação e pretendemos ver qual é a reação do mercado. Sem meias palavras, queremos claramente crescer no setor agrícola.

 

Para mais informações, consulte aqui o site da empresa.

 

Pesquisa

Vídeos mais vistos

RECEBA A NOSSA NEWSLETTER
SIGA-NOS
Rua Nelson Pereira Neves, Lj 1 e 2
2670-338 Loures - Portugal
abolsamia@abolsamia.pt
T (+ 351) 219 830 130
abolsamia, 2019 © Todos os direitos reservados | Avisos Legais | Política de privacidade