Notícias

Entrevista

Entrevista a Daniel Lopes da Jopauto

17/12/2021

“A Clemens tem soluções muito adaptadas à viticultura em Portugal”

Quando começaram a trabalhar com a Clemens?
A nossa parceria com a Clemens tem mais de 20 anos, no entanto, a nossa relação comercial acabava por não ser de exclusividade, uma vez que o mercado português ainda não estava aberto a este tipo específico de equipamentos e, consequentemente, a Jopauto não tinha um departamento direcionado para importação e distribuição para todo o país. De forma a abrir portas e dar visibilidade a esse mercado, em 2017, a Jopauto criou o departamento de importação e distribuição, coordenado pelo Artur Lopes, com o objetivo de abranger o mercado nacional através de uma rede de parceiros locais, que têm sido muito importantes no apoio à distribuição e assistência técnica aos clientes finais.

Nessa altura, com uma estrutura alocada a este mercado e uma rede de parceiros de grande qualidade, sentimos que seria o momento de aprofundarmos a nossa parceria histórica com a marca alemã e formalizámos um acordo de importação exclusiva para todo o território nacional. A Clemens é uma marca de referência no mercado mundial de equipamentos para a viticultura, que lidera diversos mercados em vários continentes. É uma marca de qualidade inquestionável, com grande foco nos viticultores profissionais.

A Jopauto é também uma empresa especialista em viticultura, muito focada no mercado profissional, pelo que a visão estratégica das duas empresas se aproxima em muitos pontos. O objetivo é dotar os viticultores profissionais de soluções que permitam aumentar a eficiência dos trabalhos, diminuir a dependência de produtos químicos e fomentar a viticultura sustentável. A Jopauto e a Clemens estão envolvidas nesta “missão” comum, pelo que a nossa relação é bem mais profunda do que uma simples parceria para importação exclusiva. Temos a mesma visão para o futuro da agricultura.

 

- Veja todas as fotos do evento -

 

Como vê o mercado português e como se adapta ao nosso país o produto da Clemens?
O mercado português está mais recetivo a equipamentos que permitam o controlo mecânico de infestantes, não só pela pressão legal crescente para a redução de utilização de herbicidas, mas também pelo aumento da consciencialização coletiva para a sustentabilidade na agricultura e para o seu papel determinante no futuro do equilíbrio dos recursos naturais e do planeta. Tem sido visível o aumento de procura generalizado, em todas as regiões vitivinícolas do país, sendo que algumas delas têm condições mais adaptadas à utilização deste tipo de equipamentos (Alentejo, Oeste, etc.).

Temos vindo a trabalhar a adaptação dos equipamentos da Clemens a condições mais difíceis, como as que apresenta a zona do Douro. Já possuímos soluções adaptadas para trabalhar o corte de erva na linha em patamares, com dimensionamento dos equipamentos adaptado à formação da poda mais baixa, característica desta região. Neste momento, a Clemens tem um conjunto de soluções muito adaptada à viticultura em Portugal, independentemente da zona do país. Diria mesmo que tem o mais extenso portfólio do mercado deste tipo de equipamentos específicos.    

Qual a importância deste tipo de demonstrações na casa dos agricultores?
Este tipo de ações de demonstração é muito importante por diversos motivos. Primeiro porque permite que o cliente verifique a eficiência do equipamento nas condições específicas das suas vinhas. É uma forma de podermos demonstrar as inúmeras possibilidades de afinação do equipamento em função do tipo de solo, do tipo de plantação, da idade das plantas, do tipo de erva, etc. É ainda muito importante no sentido de percebermos se há algum tipo de reajuste técnico que possibilite aumentar a performance do equipamento em condições muito específicas, e isso só é possível se experimentarmos os equipamentos em diversas regiões e condições. 

Penso que a compra deste tipo de máquina só se deve efetivar depois de uma demonstração, porque há muitas soluções no mercado teoricamente eficientes, mas só depois de testadas nas condições específicas das vinhas de cada potencial comprador é que se verifica se são, ou não, a melhor solução.
Esta jornada de demonstrações em todo o país foi essencial para confirmar que o equipamento é, de facto, muito eficiente e ajustável às mais diversas condições de terreno em que foi testado.

Estamos muito satisfeitos com o resultado, e os clientes muito impressionados com a performance dos equipamentos da Clemens.

Como será o futuro dos equipamentos para a vinha?
Temos um problema comum em todas as regiões vitivinícolas de Portugal, que é a escassez de recursos humanos. Para colmatar esse problema, teremos que pensar na possibilidade de complementaridade de equipamentos, ou seja, a possibilidade de se poder trabalhar com equipamentos que fazem trabalhos distintos ao mesmo tempo, por exemplo, trabalhar a linha com um conjunto de entre-cepas montados na frente do trator ou entre rodas e pulverizar ao mesmo tempo com o atomizador montado atrás.

Este tipo de complementaridade entre equipamentos permitirá aumentar a eficiência, diminuir os custos energéticos (menos consumo de combustível), diminuir as emissões de CO2, otimizar os custos operacionais e minimizar o problema da escassez da mão de obra. Hoje em dia já temos equipamentos que permitem fazer mecanicamente quase todo o tipo de trabalho na vinha, pelo que no futuro o foco será mais na otimização de recursos e no aumento da sustentabilidade.

Na minha opinião, o futuro passa, não só pelo aumento de utilização de equipamentos que permitam a redução de utilização de produtos químicos como, por exemplo, entre-cepas ou painéis recicladores de calda, como também pelo crescimento de utilização de equipamentos de agricultura de precisão, tal como GPS e alfaias de aplicação variável, assim como pela utilização de sistemas de controlo e monitorização integrada, que permitam uma gestão mais criteriosa e mais eficiente dos trabalhos na vinha e, finalmente, pelo aumento de oferta de soluções elétricas, robotizadas e autónomas. Acredito que o grande passo em Portugal será avançar para soluções energeticamente limpas e robotizadas. A Jopauto já está a trabalhar parcerias de distribuição com marcas que já têm este tipo de equipamentos testados noutros países, porque é nossa convicção que o futuro da viticultura tem que passar pela procura da eficiência e da sustentabilidade.  


São parceiros da Auto Agrícola Sobralense há já quatro anos. Qual a importância desta parceria?
As duas empresas são parceiras de longa data até porque partilhamos a mesma marca de tratores, a New Holland. No momento da criação da rede de parceiros para a distribuição regional dos equipamentos de importação exclusiva, a AAS foi uma das primeiras empresas que contactámos, por diversos motivos. Não só é uma empresa com grande foco na viticultura profissional e com grande experiência no mercado, com uma rede de clientes muito abrangente, como também partilhamos a mesma visão comercial. 

Tem sido uma parceria que, ao longo destes 4 anos, tem ficado mais forte e coesa, e isso deve-se à relação aberta e de partilha constante que mantemos. No fundo, a nossa parceria tem como missão dotar os clientes das melhores soluções do mercado, e é para isso que trabalhamos todos os dias. Somos muito mais que parceiros comerciais. Temos uma missão comum e estratégias similares nesta linha de negócio. Esta sessão de demonstrações é só mais um exemplo do trabalho contínuo que temos desenvolvido em conjunto na zona do Oeste e Dão. 

A AAS é um parceiro estratégico, que tem feito um trabalho notável na sua área de trabalho, pelo que o balanço destes 4 anos de parceria é muito positivo. É uma empresa com um nível de profissionalismo acima da média no mercado de máquinas agrícolas, e é com os melhores que queremos trabalhar no sentido de melhorar a viticultura em Portugal.

 

- Leia mais -

Pesquisa

Vídeos mais vistos