Notícias

Kuhn celebra 190 anos de atividade

02/07/2018

No percurso desta marca francesa, as alfaias de fenação assumiram uma posição marcante. Mas nas últimas décadas a oferta alargou-se a outros segmentos da mecanização agrícola.

Com presença nos cinco continentes e uma faturação que ultrapassa os mil milhões de euros, a Kuhn disponibiliza atualmente um vasto leque de equipamentos que é reflexo das mais de 2000 patentes registadas que fazem parte da sua história.

1828. Joseph Kuhn começou pelas balanças

Joseph Kuhn abriu uma oficina de ferragens na sua aldeia, nos arredores de Saverne. Especializou-se no fabrico de balanças decimais e utensílios de pesagem.

1864. A Kuhn instala-se em Saverne

Aproveitando a abertura da linha férrea entre Paris e Estrasburgo, Joseph Kuhn deu um novo impulso ao seu negócio. Mudou-se para Saverne, cidade onde a Kuhn permanece até hoje, e começou a produzir equipamentos agrícolas.

1921. Mecanização agrícola como rumo

A firma expandiu as instalações e começou a fabricar debulhadoras estacionárias. Seguiram-se depois as gadanheiras e os junta-fenos.

1946. Recuperação no pós-guerra

A trajetória de crescimento foi abruptamente interrompida pela II Grande Guerra. Terminado o conflito, a Kuhn associa-se ao fabricante suíço Bucher-Guyer, uma estratégia que contribuiu para a recuperação.

Anos 60, 70 e 80. Consolidação do negócio

As gadanheiras traseiras e ventrais, os encordoadores de feno, os arrancadores de batatas e as fresas eram as principais alfaias comercializadas. Foi a partir dos anos 70 que a Kuhn passou a exportar para toda a Europa, Austrália e Estados Unidos.

Anos 90. Aquisições alargam a gama

Foi logo em 1987 que a Kuhn comprou a Huard (charruas). Seria a primeira de várias aquisições feitas nos anos 90, que permitiram à marca entrar em novos segmentos de produto. Em 1993 compra a Audureau (distribuidores de fardos, cortadores de silagem e unifeeds) e em 1996 seguiu-se a Nodet, que acrescentou à Kuhn os semeadores de linhas e os pulverizadores.

Século XXI. A reforçar alicerces

Continuou a política de aquisições. Em 2002 compra a americana Knight (reboques espalhadores e unifeeds). Em 2005 também a brasileira Metasa (sementeira de precisão) passa a ser detida pela Kuhn, e em 2008 é a vez dos pulverizadores Blanchard. No mesmo ano, compra a divisão de fenação da Kverneland. Em 2011 compra a americana Krause (trabalho de solo) e em 2014 adquire a brasileira Montana (pulverizadores automotrizes). Neste século, a Kuhn tem vindo a abrir novos escritórios e sucursais, estando presente em cerca de 100 países. E está também a modernizar instalações e a investir mais em I&D. No fundo, a reforçar os alicerces da longevidade

 

Pesquisa

Publicidade


Vídeos mais vistos

RECEBA A NOSSA NEWSLETTER
SIGA-NOS
Rua Nelson Pereira Neves, Lj 1 e 2
2670-338 Loures - Portugal
abolsamia@abolsamia.pt
T (+ 351) 219 830 130
abolsamia, 2018 © Todos os direitos reservados | Avisos Legais | Política de privacidade