Notícias

Floresta

Versão 2022 do FAE PT-300 recebe atualizações

16/05/2022

Uma das melhorias foi aplicada pela marca italiana ao nível dos acessórios destroçadores (200/U/Sonic e 300/U/Sonic). A tecnologia Sonic garante que os destroçadores trabalhem à sua capacidade máxima em todas as situações. O binário é ajustado à carga que é requerida em tempo real, o que segundo a marca resulta num acréscimo de produtividade na ordem dos 30%. 

Num outro plano, a Gestão Ativa de Potência é uma tecnologia que passa a estar disponível no PT-300. A sua missão é gerir o avanço da máquina em função da resistência absorvida pelo rotor de destroçamento, e ainda em função dos contornos do terreno. Ao permitir este controlo automático, o operador pode concentrar-se na definição da trajetória e na gestão do acessório de corte. Na propulsão, o PT-300 continua a contar com um motor CAT de seis cilindros que fornece 302 cv de potência e cumpre a norma de emissões Fase V. A transmissão de potência ao sistema de rastos é gerida através de uma transmissão hidrostática que permite alcançar os 6,5 km/k e o sistema hidráulico é desenvolvido pela Danfoss. 

As aplicações possíveis para esta máquina vão desde a remoção de cepos em parcelas onde foram feitos abates recentes, até à criação de linhas de corta-fogo em zonas florestais densas e de terreno ingreme, onde uma máquina de grande potência e robustez faz a diferença. Entre os opcionais encontramos, entre outros equipamentos, a ventoinha proporcional e reversível, a câmara de marcha-atrás e o guincho de 6 toneladas.

Uma das melhorias foi aplicada pela marca italiana ao nível dos acessórios destroçadores (200/U/Sonic e 300/U/Sonic). A tecnologia Sonic garante que os destroçadores trabalhem à sua capacidade máxima em todas as situações. O binário é ajustado à carga que é requerida em tempo real, o que segundo a marca resulta num acréscimo de produtividade na ordem dos 30%. 

Num outro plano, a Gestão Ativa de Potência é uma tecnologia que passa a estar disponível no PT-300. A sua missão é gerir o avanço da máquina em função da resistência absorvida pelo rotor de destroçamento, e ainda em função dos contornos do terreno. Ao permitir este controlo automático, o operador pode concentrar-se na definição da trajetória e na gestão do acessório de corte. Na propulsão, o PT-300 continua a contar com um motor CAT de seis cilindros que fornece 302 cv de potência e cumpre a norma de emissões Fase V. A transmissão de potência ao sistema de rastos é gerida através de uma transmissão hidrostática que permite alcançar os 6,5 km/k e o sistema hidráulico é desenvolvido pela Danfoss. 

As aplicações possíveis para esta máquina vão desde a remoção de cepos em parcelas onde foram feitos abates recentes, até à criação de linhas de corta-fogo em zonas florestais densas e de terreno ingreme, onde uma máquina de grande potência e robustez faz a diferença. Entre os opcionais encontramos, entre outros equipamentos, a ventoinha proporcional e reversível, a câmara de marcha-atrás e o guincho de 6 toneladas.

Pesquisa

Vídeos mais vistos